Síndrome pós-COVID: 70% dos pacientes relatam sequelas da COVID-19, que vão de sintomas leves a problemas mais graves.


Publicado em: 16/08/2021

Você já ouviu falar na síndrome pós-COVID?

Esse é o nome dado para um conjunto de problemas de saúde, recorrentes ou contínuos, que têm sido apontados por até 70% dos pacientes que tiveram COVID-19.

As sequelas da COVID-19 podem ser de natureza hematológica, cardiológica, neurológica, dermatológica ou psicológica. Pode se manifestar em qualquer pessoa que teve contato com o vírus, mesmo os que não apresentaram sintomas após a infecção.  

De forma persistente, essa síndrome, chamada em inglês de Long COVID ou Late COVID (COVID longa ou COVID tardia), tem afetado a qualidade de vida de milhares de pacientes.

Sem prazo de validade para o fim dos sintomas, já que ainda não há dados suficientes que permitam dizer, em média, quanto tempo duram as sequelas da COVID-19, o melhor remédio continua sendo a prevenção e a informação.

Abaixo você vai saber mais detalhes sobre:

 

As principais sequelas da COVID-19

Sequelas psicológicas e neurológicas

O que é parosmia? Tem cura?

Buscando ajuda

 

As principais sequelas da COVID-19

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) estes são os sintomas mais comuns, por sistema afetado:

  1. Sintomas respiratórios e cardiovasculares
    • Falta de ar
    • Tosse
    • Aperto no peito
    • Dor no peito
    • Palpitações
  2. Sintomas generalizados
    • Fadiga
    • Febre
    • Dor
  3. Sintomas neurológicos
    • Comprometimento cognitivo ('névoa do cérebro', perda de concentração ou problemas de memória)
    • Dor de cabeça
    • Distúrbios de sono
    • Alfinetes e agulhas ou dormência (em qualquer parte do corpo)
    • Tontura
    • Delirium (em pessoas idosas)
  4. Sintomas gastrointestinais (sistema digestivo)
    • Dor abdominal
    • Náusea
    • Diarreia
    • Anorexia e apetite reduzido (em pessoas mais velhas)
    • Perda de peso
  5. Sintomas musculoesqueléticos
    • Dor nas articulações
    • Dor muscular
  6. Sintomas psicológicos / psiquiátricos
    • Sintomas de depressão
    • Sintomas de ansiedade
  7. Sintomas de ouvido, nariz e garganta
    • Zumbido
    • Dor de ouvido
    • Dor de garganta
    • Perda de paladar e / ou cheiro (parosmia)
  8. Sintomas dermatológicos
    • Erupções cutâneas

No entanto, as sequelas da COVID-19 podem se apresentar de forma variada para cada paciente, e questões como fibrose nos rins, dores de cabeça e até tosse persistente têm sido relatadas por um número considerável de pacientes. Isso acontece porque o coronavírus atinge de forma aguda muitos órgãos do corpo humano, especialmente o coração, os pulmões e os vasos sanguíneos.

Das complicações crônicas mais graves ligadas ao pulmão, o órgão mais associado à doença, está a fibrose pulmonar. Esta condição é mais facilmente observada em pacientes que apresentaram quadros graves da COVID-19, já que está ligada a infecções mais severas no pulmão.

A fibrose pulmonar é uma alteração crônica no pulmão, em que qualquer área que antes apresentava uma inflamação é preenchida por cicatrizes que tornam o órgão mais rígido e dificultam a execução das funções normais, provocando a hipoxemia, que é a queda do nível de oxigênio no sangue.

O coração também pode sofrer a longo prazo: arritmias, miocardite e fibrose miocárdica, que por vezes podem se manifestar pela falta de ar e ser confundidas com questões associadas ao pulmão. Por isso, ao primeiro sinal de sintomas, procure seu médico para um diagnóstico adequado.

 

Sequelas psicológicas e neurológicas

 

Muitas sequelas da COVID-19 podem dar sinais sutis, pois são de ordem neurológica ou psicológica. Até 40% dos pacientes recuperados desenvolvem transtornos de ansiedade e/ou depressão, além de estresse pós-traumático. Casos em que os transtornos já sejam pré-existentes podem inclusive ser agravados.

É preciso ficar atento e ouvir os sinais do seu corpo: dificuldade em se concentrar, insônia, perda de memória, dores de cabeça, fadiga? todos esses são sintomas comuns da síndrome pós-COVID, juntamente com tontura e perda de olfato e de paladar.

Um estudo publicado na revista científica Nature associou as neuropatologias a alterações nas células e vasos cerebrais causadas pelo coronavírus, que levam à inflamação em neurônios, nas células de suporte ? aquelas que formam os tecidos ? e nas artérias cerebrais.

 

O que é parosmia? Tem cura?

De todas as sequelas da COVID-19, uma das mais conhecidas é a parosmia: a perda ou alteração do olfato e paladar. Esse sintoma também é importante para identificar uma reinfecção, mas o que ocorre após a recuperação não é necessariamente o mesmo distúrbio.

As alterações no paladar ou no olfato causadas pela COVID-19 tem a ver com um inchaço em decorrência da destruição de células localizadas no nariz, causada pelo coronavírus. É o inchaço que causa a alteração no olfato e, consequentemente, no paladar, chamada de hiposmia, quando se trata apenas de uma diminuição ou anosmia quando a perda é total.

Já a parosmia ocorre durante a recuperação desses sintomas, quando o próprio organismo está se regenerando de forma espontânea. O paciente começa sentir cheiros e sabores estranhos ou a relatar mudanças na própria memória olfativa, que afeta também o paladar: os perfumes passam a cheirar mal e sua comida favorita agora é intragável.

Isso acontece porque o dano causado pelo coronavírus a essas células também causa uma confusão no envio de sinais entre as terminações nervosas da região nasal e do cérebro, confundindo e distorcendo memórias básicas e associações.

A parosmia é um sinal de recuperação do corpo, mas também é possível tratá-la para acelerar o processo. Otorrinolaringologistas são os especialistas que podem te orientar sobre o treinamento olfativo, prática que deve ser orientada pelo médico e feita duas vezes ao dia, com a intenção de ajudar o cérebro a assimilar os cheiros e reorganizar as associações.

 

Buscando ajuda

 

Estudos mostram que mulheres são mais propensas a desenvolver a síndrome pós-COVID. A hipótese tem a ver com a diferente resposta imune dos organismos das mulheres, quando comparada ao dos homens.

É preciso ficar atento, mas vale lembrar que nem todos os sintomas persistentes que venham a ocorrer depois da recuperação da COVID-19 são sequelas permanentes. Se você está preocupado com algum dos seus sintomas e já se passaram quatro semanas ou mais desde que você iniciou com os sintomas de COVID, entre em contato com o seu médico e pergunte sobre a possibilidade de ?COVID longo ou Síndrome pós-Covid? - ele poderá lhe orientar sobre a necessidade de avaliações adicionais, exames ou tratamentos para reabilitação. 

Atenção! Mesmo com uma grande parcela da população vacinada, manter os cuidados de prevenção é essencial para evitar a doença. Leia mais em: os cuidados não podem parar.

 

Fontes: SBC, Hopkins Medicine, FiocruzBBCwww.unimed.coop.br

Home
Notícias

Sede Administrativa
Rua Coronel Ernesto de Oliveira, 735
Vila Conrado - S. J. da Boa Vista/SP
Telefone: (19) 3638-2888

Hospital e Maternidade Unimed
Orlando Fracari, 730
Recanto do Bosque - S. J. da Boa Vista/SP
Telefone: (19) 3634-2000

Laboratório UNILAB
Orlando Fracari, 730
Recanto do Bosque - S. J. da Boa Vista/SP
Telefone: (19) 3634-2182

Esse site utiliza cookies para viabilizar a sua navegação, gerenciar suas funcionalidades e aprimorar sua interação com nossos produtos e serviços. Todos os cookies, exceto os estritamente necessários, precisam de seu consentimento para serem utilizados.
Para saber mais visite a nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.

Esse site utiliza cookies para viabilizar a sua navegação, gerenciar suas funcionalidades e aprimorar sua interação com nossos produtos e serviços. Todos os cookies, exceto os estritamente necessários, precisam de seu consentimento para serem utilizados.
Para saber mais visite a nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.